Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/09/21 às 10h02 - Atualizado em 23/09/21 às 11h25

Secretaria de Saúde já distribuiu cerca de 167 mil canetas aplicadoras de insulina humana

COMPARTILHAR

Distribuição ocorre desde 2019 e é voltada para pacientes com tipo 1 de todas as idades e tipo 2 com até 19 anos ou 40 anos ou mais

 

JURANA LOPES I EDIÇãO: JOHNNY BRAGA I DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

Desde 2019, pacientes com diabetes contam com um importante aliado em seu tratamento, trata-se das canetas aplicadoras de insulina humana dos tipos NPH e regular, enviadas pelo Ministério da Saúde, quando o MS e a Secretaria de Saúde iniciaram a dispensação das canetas para os pacientes com diabetes tipo 1. Em 2020, os pacientes tipo 2 foram incluídos para sua utilização. Neste ano de 2021, o DF ampliou a faixa etária com direito de retirada das canetas de insulina, tendo em vista o benefício da utilização delas no controle da doença e maior disponibilidade de estoque pelo Ministério da Saúde.

 

Canetas de insulina são distribuídas na rede pública – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Desde o início da disponibilização das canetas de insulina humana NPH e regular, a Secretaria de Saúde já entregou aos usuários cerca de 167.000 mil canetas no Distrito Federal.

 

“As canetas aplicadoras de insulina humana estão disponíveis em todas as unidades básicas de saúde (UBSs). O critério para receber é ser paciente com diabetes tipo 1 (todas as idades) e pacientes com diabetes tipo 2 com até 19 anos de idade e 40 anos de idade ou mais”, explica a gerente do Componente Básico da Assistência Farmacêutica da Secretaria de Saúde, Patrícia Queiroz.

 

Segundo ela, o uso das canetas de insulina contribui para maior qualidade de vida do diabético, pois a precisão da dosagem de insulina com as canetas é maior do que quando se utiliza sob a forma de frascos e seringas. Além disso, os pacientes têm menos dor no local da aplicação e menor risco de ferimentos.

 

Pacientes devem se enquadrar nos protocolos estabelecidos pelo Ministério da Saúde – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Até pouco tempo, as únicas insulinas distribuídas pelo Ministério da Saúde eram de aplicação via seringa, sendo o próprio paciente o responsável por retirar da ampola a dose correspondente ao seu tratamento.

 

“Agora, eles contam com a distribuição das canetas pré-preenchidas com insulina, com menor chance de aplicar a dosagem errada”, ressalta a gerente.

 

Os pacientes em uso de insulina humana NPH ou regular que estão dentro da faixa etária atendida podem procurar a UBS de referência na sua região, levando a prescrição médica para receber orientações e ter acesso às canetas aplicadoras. As equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) também podem fazer uma busca ativa nas áreas que atuam, para encontrar os diabéticos que necessitam do insumo.

 

Praticidade na aplicação de insulina

 

O tratamento com múltiplas doses de insulina torna-se mais prático com a disponibilização das canetas aplicadoras. Para Patrícia Queiroz, os benefícios trazidos pelo uso das canetas de insulina podem gerar a melhor adesão ao tratamento do diabetes e, com isso, maior controle da glicose no sangue. “Consequentemente, isso reduz as chances de complicações relacionadas ao diabetes, como a hipoglicemia”.

 

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

É importante lembrar que não é possível misturar dois tipos de insulina, o que significa que se o paciente precisar aplicar dois tipos de hormônios serão necessárias duas aplicações. Além disso, as canetas de insulina devem ser utilizadas apenas por um usuário.

 

O uso das canetas aplicadoras de insulina humana dos tipos NPH e regular foi possível depois que o Ministério da Saúde ampliou os critérios de disponibilização delas no Sistema Único de Saúde (SUS). Antes, apenas pacientes com o tipo 1 da doença, com idade até 15 anos e a partir de 60 anos, tinham acesso às canetas, o que representava cerca de 15% da demanda do SUS.