Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/11/12 às 12h25 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

SES faz atendimento de Hipertireoidismo e Hipotireoidismo

As doenças estão se tornando frequentes e é necessário ficar atento aos sintomas

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal – SES/DF alerta a população sobre a importância de cuidados com as doenças hipertireoidismo e hipotireoidismo. As doenças estão se tornando frequentes e é necessário ficar atento aos sintomas. O tratamento é feito por endocrinologistas e realizado nas regionais de saúde, exceto nas regionais de Samambaia e de Planaltina.

A porta de entrada para o tratamento na rede de saúde é feito por meio dos médicos que atuam na parte clínica. Eles que vão orientar e encaminhar o paciente ao endocrinologista. As duas doenças são mais comuns nas mulheres e podem até mesmo ser diagnosticadas pelo ginecologista.

A superprodução dos hormônios tireoidianos provoca no organismo um distúrbio, o hipertireoidismo. Os pacientes com hipertireoidismo apresentam sintomas como agitação, insônia, calor excessivo, pressão arterial elevada. ”O tratamento do Hipertireoidismo é feita com o auxilio de medicamentos. O iodo radioativo é um procedimento medicamentoso feito no hospital de base onde o resultado final pode demorar até seis meses”, explica a coordenadora do núcleo de endocrinologia, Lilian Assumpção Paes Leme.

Por ser uma doença crônica, o paciente com a doença deve tomar o medicamento de hormônio durante toda a vida. Os exames de sangue anuais são feitos para checar se a dose está adequada. Em casos raríssimos o tratamento é feito com procedimento cirúrgico. O medicamento é fornecido pela secretaria de saúde aos pacientes e repondo o hormônio, o paciente com hipotireoidismo pode ter uma vida normal.

Já a produção abaixo da quantidade necessária de hormônios é conhecida como hipotireoidismo. A principal causa de hipotireoidismo é a tireoidite de Hashimoto, uma doença autoimune em que o corpo passa a produzir anticorpos contra a sua própria tireoide, destruindo a capacidade dessa glândula de produzir a tiroxina.

A doença é tratada com a reposição de hormônios e que pode ser feita sempre pela manhã em doses que normalizem os níveis dos hormônios tireotrópicos – TSH. ”Com o uso da medicação os níveis caem, porém mesmo com aqueda o uso contínuo do medicamento é fundamental”, alerta Lilian Assumpção. O medicamento e o tratamento também são fornecidos pela SES.

Raquel Teixeira