Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/10/12 às 17h30 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Tratamento ambulatorial de Doenças Neuromusculares no Hran

Toda quinta-feira, a Regional de Saúde da Asa Norte (Hran) oferece tratamento ambulatorial de reabilitação, das 8h às 12h, para pacientes que apresentam doenças neuromusculares e insuficiência respiratória, ou ainda que necessitem de uso de aparelhos: CPAP e BIPAP.

Uma vez por semana são avaliados e indicados para tratamento os pacientes portadores de doenças como esclerose lateral amiotrófica (ELA), paralisia bulbar progressiva, atrofia muscular progressiva, esclerose lateral primária, atrofia muscular espinhal, miastenia gravis, síndrome miastêmica, botulismo, miastenias congênitas, distrofias musculares, miopatias inflamatórias, miopatias congênitas, doenças de depósito com fraqueza muscular, miopatias mitocondrias, sindrome de Guillain Barre, polineuropatias motoras autoimunes, neuropatias hereditárias e neuropatias motora multifocal.

Cerca de cem pacientes estão cadastrados na unidade. De acordo com a chefe da unidade multidisciplinar do Hran, Heloisa Glass, os casos mais graves, debilitados recebem atendimento domiciliar. A porta de entrada para o tratamento é a marcação de consulta por meio do telefone: 3325-4219, do Ambulatório do Sono e Neurologia.

Paciente domiciliar em estado grave, que tenha dificuldade para respirar ou engolir, tem como beneficio os equipamentos CPAP ou BIPAP. Só esses aparelhos custam aos cofres da Secretaria de Saúde (SES/DF) R$ 15 mil para cada paciente em estado avançado da doença. No Hran quatro pacientes fazem uso desses aparelhos.

O tratamento é multidisciplinar, sendo atribuído ao neurologista a avaliação médica e o encaminhamento aos demais profissionais como o fisioterapeuta responsável pela reabilitação em decorrência da perda dos movimentos. O nutricionista tem a responsabilidade de manter o peso e a massa muscular ideal do paciente. Já o terapeuta ocupacional indicará o auxilio da mobilidade do paciente pelo uso de bengala, andador e outros. O trabalho do fonoaudiólogo terá a reponsabilidade com a comunicação oral, mastigação e deglutição. No ambulatório, os familiares recebem apoio psicológico e auxilio do Núcleo Regional de Atendimento Domiciliar (NRAD).

Júlio Duarte