Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/11/12 às 14h07 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Tratamento da obesidade no Recanto das Emas

70% dos pacientes com diabetes ou hipertensão, apresentam algum tipo de obesidade

A Coordenação de Saúde do Recanto das Emas lançou um programa onde o problema de um é de todos, assim como o sucesso de cada um alegra todo o grupo. Trata-se do Programa Obesidade Embora (Probem), que vem atendendo mais de 60 pacientes inseridos nos níveis de obesidade leve, moderada e grave. O objetivo é, num prazo de seis meses, devolver a qualidade de vida a pacientes que estão acima do peso, diminuir os riscos das doenças ocasionadas pela gordura, como por exemplo a hipertensão, diabetes e as doenças cardiovasculares.

“Há muito tempo a obesidade deixou de ser uma questão puramente estética”, avalia a médica endocrinologista Raquel Bevilaqua,idealizadora do programa que, juntamente com a nutricionista Clarissa Araújo Benício, as técnicas de enfermagem Maria da Luz Rodrigues e HermelinaCaxangá e o agente comunitário de saúde Natal Silva, recebem todos os pacientes inscritos no programa uma vez por mês para uma tarde de orientação nutricional, condicionamento físico, terapia comunitária, avaliação clínica e , quando necessário, prescrição de medicamentos.

“Trabalhamos de forma integrada já que a obesidade é multifatorial e não há como combatê-la de forma eficiente sem levarmos em conta os hábitos alimentares, os distúrbios endócrinos, o nível de stress e ansiedade pela qual a pessoa passa, enfim, todos os fatores que podem contribuir para o ganho de peso”, avalia a médica. No Recanto das Emas, nos grupos dos pacientes com diabetes ou hipertensão atendidos pela Coordenação de Saúde, 70% apresentam algum tipo de obesidade, informou Raquel, que é coordenadora dos programas que tratam dessas doenças na cidade.

“O Probem é mais uma ação que reforça o papel da Coordenação de Saúde do Recanto das Emas, cujo papel primordial reside na atenção primária, ou seja, na prevenção das doenças”, reflete o coordenador Fábio Sabino. Para ele, o comprometimento da equipe e de todos que colaboram para a realização do programa é fundamental. “Sem esse tipo de iniciativa dificilmente conseguiríamos obter os resultados esperados, com uma efetiva redução dos riscos para os nossos pacientes”, acrescenta.

Maria Cleonice de Araújoé um exemplo de paciente que vê muitos benefícios no projeto. Em um mês, de meados de outubro até 13 de novembro, ela conseguiu perder 2,3Kg, o primeiro passo para chegar a uma silhueta mais fina e consequentemente poder contar com o aumento da auto estima. “Tenho vergonha da minha barriga desde os 16 anos, quando tive o meu primeiro filho e fiquei com muitas estrias. Então resolvi ganhar peso para tentar diminuir a aparência enrugada, só que hoje estou com 74 quilos e tenho apenas 1,48m de altura”, relatou a paciente, que disse estar motivada a continuar até atingir o seu objetivo, que é diminuir o peso e depois passar por uma cirurgia estética.

Cada grupo– obesidade leve, moderada ou grave – é convidado a ir ao centro de saúde 02 do Recanto das Emas uma tarde de terça-feira por mês. Na sala que também serve como auditório, eles passam por trêscircuitos diferentes, de forma que todos conversam com a médica, a nutricionista e o agente comunitário de saúde, que tem formação em educação física.

Ao término, todos se reúnem em uma única roda, onde é feita uma terapia comunitária, coordenada pelas técnicas de enfermagem treinadas pela Secretaria de Saúde. É um momento em que todos falam dos problemas, das dificuldades que enfrentam no dia a dia e tudo o que os impede de seguir o programa à risca, observa a nutricionista Clarissa. Segundo ela, umadieta pobre em frutas e verduras e ao mesmo tempo com uma grande quantidade de gorduras e carboidratos é comum entre os pacientes que aderiram ao programa. “Também percebemos que os refrigerantes e as comidas tipo fastfood, vem ganhando muito espaço entre as famílias que atendemos no centro de saúde”, revela.

A meta é encerrar essa primeira turma do Probem num prazo de seis meses e abrir inscrições para novos pacientes. Até lá, Suely Silva espera ter perdido todo o peso que a impede de ter uma ferida no pé cicatrizada. “Faço tratamento no hospital do Gama e o médico me disse que se eu não perder peso, a ferida que eu tenho no pé não vai fechar nunca. Então resolvi tomar uma atitude”, justifica a moradora da quadra 103. Com 54 anos, Sueli já perdeu dez quilos, sendo que pelo menos um terço após ter iniciado o Probem. “A paciente já vinha fazendo um acompanhamento com a gente, mas nada tão enfático como o que está acontecendo agora. Esperamos que com esse reforço por parte de toda a equipe, ela atinja a sua meta em pouco tempo”, explica a nutricionista.

Com um linguajar simples e próximo de sua clientela, os profissionais conversam de forma amigável e incentivadora com os pacientes.

Confira alguns conselhos dados pelos profissionais ao grupo:
Durma bem e no horário da noite. Quem dorme mal engorda.
Muitas atividades físicas podem ser feitas em casa mesmo. Mexa-se.
Pasta de berinjela é ótima. Tem poucas calorias e nutre.
Melancia, como qualquer fruta,deve ser consumida com moderação. Não é porque a melancia é liberada que você vai poder comer uma inteira.
Conheça o seus limites. Exercícios acima da capacidade podem ocasionar contusões.
Tenha disciplina em relação aos horários das refeições.
Macarrão com atividadefísica é uma coisa. Sem atividade física, é outra bem diferente.
Quem não perdeu peso não deve desanimar. Tem gente que pode estar substituindo massa gorda por massa magra (músculo), que é mais pesado.

Arielce Haine