Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/04/13 às 16h24 - Atualizado em 30/10/18 às 14h58

Últimos ajustes para inauguração do CAPS-AD em Samambaia

Unidade já conta com uma equipe de profissionais completa

Três consultórios, oito leitos, farmácia, arquivo e refeitório, além de espaços destinados a oficinas e terapias. Essa é parte da estrutura do Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas (CAPS-AD) de Samambaia, que aguarda os últimos preparativos para sua inauguração, prevista para este mês.

A unidade já recebeu boa parte dos equipamentos e conta com uma equipe de profissionais completa, formada por psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, farmacêuticos, psiquiatra, clínico geral, enfermeiros, técnicos de enfermagem e técnicos administrativos. Mesmo com os ajustes que ainda faltam, a unidade já fez, até o momento, o acolhimento inicial a 53 pessoas.  

O CAPS – AD, que está localizado na QS 107 de Samambaia – ao lado da UPA, realizará acolhimento diário, por demanda espontânea, a usuários adultos de álcool e drogas, bem como seus familiares. No local, serão realizadas visitas domiciliares, atendimento familiar e individual, oficinas terapêuticas, psicossociais e outras, conforme a indicação, em parcerias com instituições públicas e privadas.

A unidade funcionará 24 horas por dia, com previsão de permanência de, no máximo, 14 dias, para os pacientes que tenha indicação de desintoxicação. Em seguida, será trabalhada a segunda etapa, que é a reinserção social, em que o paciente poderá ser referenciado para a Unidade de Acolhimento ou ser acompanhado em regime de hospital dia ou ambulatorial no próprio CAPS.

Unidade de Acolhimento

Está prevista também, na mesma quadra, a inauguração da Unidade de Acolhimento, onde os pacientes serão encaminhados pelo CAPS-AD, que é a porta de entrada. O espaço contará com uma estrutura domiciliar, com capacidade para quinze leitos. O usuário, de maneira voluntária, residirá transitoriamente e será assistido por uma equipe multiprofissional, pelo prazo de até seis meses.

O intuito será garantir o acolhimento voluntário, por meio de cuidados contínuos para essas pessoas em situação de vulnerabilidade social e familiar, trabalhando a reinserção social e a alta do paciente, por meio de oficinas terapêuticas e atividades individuais e em grupos, preconizadas pelo Plano de Enfrentamento ao Crack no DF, que envolve quinze secretarias e a Codeplan, ou seja, um trabalho realizado em conjunto com as demais secretarias no que compete cada uma delas, visando o projeto de reinserção social.

Iêda Oliveira