06/06/2022 às 14h05 - Atualizado em 06/06/2022 às 15h41

DF não tem casos suspeitos de monkeypox e hepatite desconhecida

Secretaria de Saúde está em alerta para o caso de surgirem pacientes com suspeitas das doenças

Willian Matos, da Agência Saúde-DF | Edição: Margareth Lourenço

Duas doenças surgidas recentemente têm deixado em alerta cientistas e profissionais de saúde. A monkeypox (varíola dos macacos) e a hepatite desconhecida estão infectando pessoas em todo o mundo e despertando dúvidas da população.

Antes de explicar dados sobre as doenças, ressalta-se que, no Distrito Federal, não há suspeita de infecção de nenhuma das duas enfermidades. A chefe do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs-DF), Priscilleyne Reis, afirma que as vigilâncias epidemiológicas hospitalares e de atenção primária da capital estão alertas e prontas para identificar possíveis casos.

Associação

A monkeypox recebeu esse nome para evitar a expressão varíola dos macacos. O Ministério da Saúde orienta que se abra mão do termo em português para que as pessoas não associem a doença ao animal e venham a fazer algum mal contra a espécie. A contaminação é pelo vírus orthopoxvirus, o mesmo da varíola já erradicada entre seres humanos.

Embora tenha sido detectada pela primeira vez em um surto da doença entre macacos de cativeiro, em 1958, os transmissores da monkeypox são ratos. A chefe do Cievs-DF explica que esse tipo de varíola se mantinha na África e eram registrados apenas casos esporádicos, relacionados a pessoas que viajavam para o continente. “Agora, começou-se a identificar situações fora do território africano e não tem sido possível saber se a infecção ocorreu em viagens”, explica.

A transmissão se dá por meio de contato pessoal com secreção respiratória ou lesão de pele de pessoas infectadas. “O vírus também pode ser repassado quando um paciente infectado toca um objeto e outra pessoa entra em contato com esse item”, afirma Priscilleyne. As pessoas que estão em maior risco de contaminação são trabalhadores da saúde e quem convive com cidadãos já doentes. Os sintomas são febre, surgimento de ‘caroços’ pelo corpo, quando glândulas defensoras do organismo aumentam de tamanho, e erupções cutâneas com irritação e inchaço na pele.

Pessoas de qualquer idade podem ser infectadas. O grupo que corre maior risco, no entanto, são as crianças. Quando a contaminação atinge gestantes, há maior risco de complicação. Até a última atualização desta reportagem, 27 países já haviam confirmado 1.009 casos de monkeypox em humanos. No Brasil, há sete casos suspeitos em Rondônia, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Ceará. A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou no último dia 30 que é improvável que o surto se transforme em pandemia, como ocorreu com o novo coronavírus.


No DF, não há nenhum caso suspeito da doença. Foto: Tony Winston/Agência Saúde-DF

Hepatite desconhecida

A hepatite ataca o fígado e é causada por cinco tipos de vírus, chamados A, B C D e E, ou por intoxicações. Partindo desse princípio, a hepatite de etiologia desconhecida, ou hepatite fulminante, chama atenção pelo fato de o paciente infectado apresentar os mesmos sintomas (cor amarelada na pele/olhos, diarreia, dor abdominal e vômito), mas testar negativo em exames.

Os primeiros registros da hepatite fulminante ocorreram em crianças de países europeus e dos Estados Unidos. Em 5 de abril, a OMS foi notificada de dez casos registrados em crianças menores de 10 anos na Escócia. De lá para cá, já são 650 suspeitos, entre eles nove mortes. Há 33 países com pacientes sob análise. O Brasil tem um caso provável da doença, 72 suspeitos e nenhum confirmado. A paciente provável é de Mato Grosso do Sul.

O Ministério da Saúde apura ainda se seis mortes no país foram causadas pela hepatite desconhecida. Nos dias 13 e 23 de maio, a Pasta abriu salas de situação para monitorar a hepatite desconhecida e a monkeypox, respectivamente. No DF, não há casos suspeitos, conforme citado anteriormente, e há vigilância ativa em relação à doença.

O Cievs-DF fez buscas retrospectivas para identificar se houve alguma ocorrência da hepatite fulminante que tenha passado despercebida. “Não identificamos. Todos os casos que a gente teve de hepatite recentemente estavam relacionados a algum agente etiológico já conhecido”, explica a chefe do setor Priscilleyne Reis.

A Secretaria de Saúde está em alerta para o caso de surgirem pacientes com suspeitas das duas doenças. Se for o caso da monkeypox, a pessoa será isolada; se surgir um caso suspeito de hepatite de etiologia desconhecida, o foco é coletar materiais biológicos para saber se há algum agente desconhecido ou se são casos das hepatites habituais. “Se não for encontrado nenhum fator já conhecido, esse paciente será registrado como um caso provável da hepatite misteriosa”, conta Priscilleyne Reis.

A Cievs emitiu alertas aos profissionais de saúde do DF para que qualquer suspeita seja registrada e informada ao setor. A Saúde tem condições de fazer diagnósticos diferenciais para as duas doenças em questão. “A gente tem tudo já pré-estabelecido, seguindo as mesmas orientações do Ministério da Saúde”, assegura Priscilleyne Reis.

A infectologista explica como será feita a detecção da doença nos pacientes. “Os principais diagnósticos serão realizados no próprio Laboratório Central (Lacen). Em alguns casos, o laboratório receberá a amostra e fará encaminhamento para o laboratório de referência na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)”.

Também são feitas reuniões virtuais com profissionais de saúde das redes pública e privada. Priscilleyne informa que os encontros possuem grande adesão. “Na última videoconferência, realizada em 27 de maio, tivemos 100 pessoas. Abordamos sobre suspeita de pacientes, coleta e envio de materiais e outros pontos, abrangendo tanto a hepatite quanto a monkeypox”, relembra. “Além disso, fizemos reunião interna com o Laboratório Central (Lacen); a Gerência de Vigilância de Infecções Sexualmente Transmissíveis (Gevist); e os Cievs para tratar do fluxo das hepatites”, encerra Priscilleyne.