12/05/2022 às 12h35 - Atualizado em 12/05/2022 às 17h55

Enfermeiros podem atuar como gestores em cargos estratégicos

Profissionais também são preparados para trabalhar com gestão em saúde

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF | EDIÇÃO: MARGARETH LOURENÇO

Fabiano dos Anjos é o diretor de Vigilância Epidemiológica e atua lado a lado do secretário de Saúde. Foto: Tony Winston/Agência Saúde-DF

O Dia Internacional da Enfermagem é celebrado nesta quinta-feira (12) e celebra o papel tão fundamental dessa categoria no universo da saúde. Quando se fala em enfermagem as pessoas associam a palavra com o profissional que fica dentro de um hospital, ao lado do paciente, no cuidado direto da assistência. No entanto, os profissionais de enfermagem podem ocupar diversos cargos, atuando não somente com a assistência.

Hoje, a Secretaria de Saúde possui cargos estratégicos comandados por enfermeiros. À frente da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep) está o enfermeiro Fabiano dos Anjos. Essa área é responsável pelo monitoramento e análises que permitem reconhecer e prever variações no comportamento das doenças. A partir dessas análises, são feitas recomendações e tomadas as medidas para o controle e o enfrentamento adequado.

“Nesse sentido o papel do enfermeiro é estratégico, pois a enfermagem é preparada desde a graduação para gerenciar, planejar, monitorar e liderar equipe, na vigilância epidemiológica há um processo sistemático e contínuo de coleta, consolidação e análise de dados, divulgação e interpretação dos mesmos e determinação de medidas de controle. O enfermeiro possui habilidades e competências que são complementadas pelas informações de saúde, subsidiando a tomada de decisão para a ação”, explica Fabiano.

Ele atua na saúde há 20 anos, primeiro como auxiliar de enfermagem na Estratégia de Saúde da Família, depois como técnico de enfermagem em pronto-socorro e hospital, depois como enfermeiro da Estratégia de Saúde da Família, gestor de saúde e enfermeiro sanitarista. Desde 2018, trabalha na Vigilância Epidemiológica no DF.


Camila Gaspar está na gestão à frente da Cates e se sente feliz com o papel desempenhado. Foto: Tony Winston/Agência Saúde-DF

Outro cargo de papel fundamental na gestão é o da coordenação de Atenção Especializada à Saúde (Cates). A enfermeira Camila Gaspar está há 12 anos, sendo que dois na assistência e o restante na gestão. Camila possui especialização e mestrado em Saúde Coletiva, que estuda justamente a gestão da saúde.

“Hoje coordeno as questões de atenção especializada da rede, o que envolve o funcionamento dos hospitais e ambulatórios desse segmento. É um papel que, na maioria das vezes, é ocupado por médicos, mas a área da enfermagem proporciona bastante conhecimento, durante a formação, em gestão da saúde, um diferencial comparado com outras carreiras da saúde”, relata.


Pollyanna Mertens está no controle da Coasis atualmente. Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

Na coordenação de Atenção Secundária e Integração de Serviços (Coasis), a enfermeira Pollyanna Mertens, sabe da responsabilidade em representar os enfermeiros da Pasta em um cargo tão estratégico. Ela é servidora há quase 10 anos e por nove atua na gestão. “O enfermeiro tem papel essencial nas equipes de cuidado ao paciente. Para que possamos fortalecer e propor melhorais na assistência, é essencial que estejamos em cargos de tomada de decisão na SES”, avalia.

Ela ressalta que a formação acadêmica do enfermeiro favorece sua atuação como gestor. O profissional pode desenvolver competências apoiadas nas ferramentas específicas da gerência. Como coordenador de setores, o enfermeiro consegue unir a prática administrativa à assistencial, esclarece Pollyana.