25/04/2022 às 12h25 - Atualizado em 25/04/2022 às 12h30

Unidades básicas de saúde disponibilizam tendas externas para atendimento a pacientes com dengue

Todas UBSs possuem sala de hidratação mas serão utilizadas áreas externas dos postos de acordo com o fluxo de usuários

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

Objetivo é que paciente receba suporte perto de casa, indo aos hospitais somente em casos mais graves. Foto: Sandro Araújo - Agência Saúde-DF

Todas unidades básicas de saúde (UBSs) contam com salas de hidratação para atendimento dos pacientes diagnosticados com dengue. De acordo com a necessidade dos usuários por hidratação, foram montadas tendas na área externa das UBSs. A estratégia contribui para reduzir a procura pelas emergências dos hospitais da rede pública.

Como os casos da dengue aumentaram neste ano, consequentemente a demanda por esse tipo de atendimento também subiu. No entanto, a população consegue atendimento nas unidades básicas de saúde, pois todas possuem salas de hidratação para dengue. O objetivo é que o paciente receba todo o suporte perto de casa, indo aos hospitais somente em casos mais graves.

Por isso, algumas regiões estão com tendas montadas nas áreas externas. Vale ressaltar que as tendas só são utilizadas se as salas de hidratação para dengue do interior das unidades não tiverem mais capacidade de atendimento. Na Região de Saúde Norte, das 36 UBSs, 26 possuem tendas. Já na Região de Saúde Sul, das 20 UBSs, 14 possuem tendas. Na Região Central, uma tenda será montada na próxima semana. Já na Região de Saúde Sudoeste, são três unidades básicas de saúde que têm tendas destinadas para a dengue e na Região Oeste, duas.


População consegue atendimento nas unidades básicas de saúde, pois todas possuem salas de hidratação para dengue. Foto: Sandro Araújo - Agência Saúde-DF

Os medicamentos e insumos necessários para utilização no tratamento de dengue ficam guardados na sala de medicação das UBSs, a fim de evitar qualquer tipo de exposição ou contaminação no ambiente externo.

“A tenda já está preparada. Porém, só levaremos os medicamentos e insumos necessários no caso de recebermos muitos pacientes, ou seja, quando não for possível atender na sala montada dentro da nossa unidade, que tem capacidade para até quatro usuários. Realizamos aqui a hidratação oral e venosa”, explica a gerente da UBS 1 de Sobradinho I, Waldeglácia Lima.

A gestora diz que cada paciente com dengue fica em torno de 2h recebendo hidratação venosa (soro na veia), dependendo do estado clínico. Por isso, é necessário ter outra opção caso aumente o fluxo de pacientes. No mês de março, a UBS 1 de Sobradinho I atendeu 530 pacientes com dengue. De 1º a 20 de abril, foram 340 pacientes.


São 26 UBSs com tendas na Região de Saúde Norte ; 14 na Sul; três na Sudoeste e duas na Oeste. Foto Sandro Araújo - Agência Saúde-DF

“Atendemos pacientes em todos os estágios da doença. Só encaminhamos para uma UPA ou hospital se eles estiverem muito graves. A dengue é um problema de todos. A população precisa descartar seu lixo corretamente e não deixar acumular água para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypt”, destaca a supervisora da UBS 1 de Sobradinho I, Soraia Jardim.

Atendimento

A aposentada Lúcia Baldomir estava na UBS 1 de Sobradinho I junto com a filha, a universitária Fernanda Baldomir, 22 anos. As duas foram diagnosticadas com a dengue na segunda-feira (18) e, desde então, são acompanhadas pela unidade de saúde. Lúcia está na fase final da doença e não precisa mais de hidratação venosa, mas a filha ainda necessita.


Aposentada Lúcia Baldomir e a filha, a universitária Fernanda Baldomir, foram diagnosticadas com a dengue e são acompanhadas na UBS 1 de Sobradinho. Foto: Sandro Araújo - Agência Saúde-DF

“Essa foi a primeira vez que peguei dengue. Estou sendo muito bem atendida aqui, foi muito rápido, a equipe é muito gentil, tomei cerca de 1 litro de soro assim que cheguei. Mas, como minhas plaquetas continuam baixas, tive que retornar para hidratar”, relata Fernanda.

De acordo com a mãe da estudante, as duas sempre tiveram o maior cuidado dentro de casa, não deixam acumular água parada de forma alguma. No entanto, ao lado da casa delas tem um terreno baldio com mato alto, esgoto, lixo e resto de materiais de construção.

“Acredito que tenha mosquito da dengue no lote vizinho, pois lá tem água parada e tudo que pode servir como criadouro para o mosquito. Fazemos a nossa parte, já informamos a Vigilância Ambiental, que vai notificar os donos do imóvel para tomarem providência. Realmente cada um tem que fazer a sua parte para evitar que o mosquito se prolifere”, adverte.


Tendas só são utilizadas se as salas de hidratação para dengue do interior das unidades não tiverem mais capacidade de atendimento. Foto: Sandro Araújo - Agênca Saúde-DF