13/05/2022 às 17h06 - Atualizado em 13/05/2022 às 17h11

Saúde acrescenta 230 mil horas de trabalho para assistência

Reforço vai principalmente para a Atenção Hospitalar e Secundária

Da Agência Saúde

O TPD é utilizado, principalmente, para complementar as escalas de trabalho e garantir a integralidade dos serviços de saúde. Foto: Reprodução

A Secretaria de Saúde, por meio da Subsecretaria de Gestão de Pessoas (Sugep), oferece a oportunidade dos servidores realizarem jornadas de trabalho adicionais remuneradas. A prática é conhecida como TPD, trabalho em período definido. Para ocorrer, uma parte do orçamento da SES é reservada ao custeio da estratégia. Em 2022, serão destinados um total de R$ 96 milhões a esses períodos de serviços extraordinários.

A região de saúde com maior valor para pagamento de TPD é a Sudoeste, com média de R$ 1,44 milhão por mês, seguida pela Região Norte, com limite de R$ 1,35 milhão mensal. A média de gasto com horas adicionais para 2022 na Secretaria de Saúde é de R$ 8 milhões por mês. “O TPD pode ser autorizado em caráter adicional à jornada regular de trabalho do servidor, mediante cadastramento específico, termo de adesão e aprovação da chefia imediata”, explica Zayana Castro, subsecretária de Gestão de Pessoas substituta.

Esse valor será revertido em 230 mil horas mensais para reforçar a assistência no âmbito da Secretaria de Saúde, que são utilizadas principalmente na Atenção Hospitalar e Secundária ao longo do ano. “É uma ferramenta de gestão para conseguir reorganizar o RH e não deixar a assistência descoberta”, destaca Pedro Zancanaro, secretário-adjunto de Assistência à Saúde.

O TPD é utilizado, principalmente, para complementar as escalas de trabalho e garantir a integralidade dos serviços de saúde. “Como exemplo, podemos destacar as jornadas de trabalho realizadas nos finais de semana e feriados que garantiram a vacinação da nossa população”, explica Cláudio Biato, gerente de Acompanhamento e Avaliação da Folha (Geaaf).

A jornada adicional pode ser realizada na mesma unidade de lotação do servidor ou em outra, como faz Luciene Corado. A enfermeira da Unidade Básica de Saúde (UBS) 2 do Guará costuma fazer TPD no Hospital Regional do Guará (HRGu), no plantão de quinta-feira à noite. “Eu vou para qualquer setor que for escalada, dependendo da necessidade”, explica a servidora, que já atuou no acolhimento, no pronto-socorro, na clínica médica, na pediatria e na ala respiratória do hospital. Ela gosta da oportunidade de experimentar duas formas de assistência. “Na UBS, atuamos mais na prevenção. Já no hospital, é mais emergencista. Um trabalho complementa o outro”, comenta a profissional.

O TPD é regulamentado pela Portaria 906, de 24 de setembro de 2021.