30/06/2022 às 18h03 - Atualizado em 30/06/2022 às 18h07

Novos equipamentos devem tornar cirurgias ortopédicas mais rápidas e seguras

Arco cirúrgico permitirá a realização de até 250 procedimentos por mês somente no Hospital Regional de Ceilândia

Humberto Leite, da Agência Saúde DF


O motoboy Elias Soares fez cirurgia ortopédica no Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Foto: Tony Winston - Agência Saúde DF

O maior desejo do motoboy Elias Soares, de 31 anos, é ter uma recuperação rápida. Ele está internado no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) desde sexta-feira, quando sofreu um acidente durante uma entrega. "Estou muito ansioso para voltar a pilotar. A minha renda é essa", conta. As expectativas são boas: ele foi um dos primeiros pacientes beneficiados pela instalação do novo equipamento de escopia, que vai proporcionar cirurgias mais rápidas, seguras, menos invasivas e com recuperação mais rápida.

Também chamado de arco cirúrgico, o equipamento de escopia permite visualizar, em tempo real, imagens que antes demandavam dezenas de procedimentos de raio-X. Na prática, isso diminuiu o tempo necessário para a cirurgia e facilita o trabalho das equipes.

O médico ortopedista Ronaldo Moraes, responsável técnico assistencial da área no HRC, estima que com o uso do aparelho é possível reduzir o tempo das cirurgias em até 50%. "Você resolve a vida do paciente sem precisar de grandes incisões para colocar um parafuso, por exemplo", explica.

O equipamento tem ainda a característica de oferecer mais segurança para a equipe médica por não expor, tanto o doente, quanto os profissionais, a uma série de procedimentos de Raio-X durante uma única cirurgia. Em uma operação de fratura no fêmur, por exemplo, realizada sem a escopia, são trinta ou mais emissões.


Novos arcos cirúrgicos devem tornar cirurgias ortopédicas mais rápidas e seguras. Foto: Tony Winston - Agência Saúde DF

Aumento da produção cirúrgica

Com o novo equipamento, o HRC poderá fazer mais cirurgias ortopédicas, incluindo as de maior complexidade. "Vamos poder fazer duas cirurgias de fêmur todos os dias", diz a supervisora da Gerência de Assistência Cirúrgica, Savana Lima Barreto.

Além de reduzir o tempo de ocupação no centro cirúrgico, a escopia também deve diminuir o tempo de internação no pós-operatório. “O arco cirúrgico chega em um momento muito propício. Temos realizado força tarefa na ortopedia, com turnos cirúrgicos extras, e com o aparelho vamos otimizar as cirurgias”, afirma Thalita Ramos Ribeiro Epstein, Gerente de Assistência Cirúrgica.

A expectativa é a de que o HRC passe a realizar pelo menos 250 cirurgias ortopédicas por mês, um número alcançável também por conta da chegada de novos perfuradores. "Esses aparelhos são uma vitória para a saúde do DF. É mais uma estratégia para diminuirmos o tempo de espera para uma cirurgia, e muitas vezes o tempo de internação também. Ganham as equipes médicas e também o usuário," destaca a secretária de Saúde, Lucilene Florêncio.

Nos próximos dias também devem começar a operar os novos arcos cirúrgicos do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) e do Hospital Regional de Planaltina. As três unidades realizam tanto procedimentos de urgência quanto cirurgias eletivas.


Equipamento de escopia permite visualizar em tempo real imagens dos ossos dos pacientes. Foto: Tony Winston - Agência Saúde DF